Green is the new black: como a biotecnologia está tornando a moda mais sustentável

25/08/2020

De seda de aranha cultivada em laboratório a "corantes vivos" extraídos de microalgas, a biotecnologia está sendo usada para criar itens de moda sustentáveis

No início deste ano, conforme as marcas de moda lançavam suas coleções de verão, a H&M lançou um vestido que levantou sobrancelhas. Não porque o vestido (foto acima) fosse particularmente picante, mas porque era feito de polpa biodegradável. O material, Circulose, é criação da startup sueca Re:newcell, que faz parte de uma nova geração de marcas de biotecnologia dedicadas a tornar a moda mais sustentável.

Funciona assim: a Re:newcell leva roupas usadas para sua fábrica em Kristinehamn, Suécia, onde são desabotoadas, picotadas, despojadas de corantes e plásticos e transformadas em lama, explica o diretor de marketing, Harald Cavalli- Björkman.

O que resta é a celulose - "um polímero orgânico biodegradável do qual todas as plantas verdes são feitas". Essa lama é seca para produzir folhas finas de celulose, que são transformadas em fibras têxteis naturais. "O processo é muito eficiente. Um quilo de algodão usado torna-se um quilo de novas fibras têxteis, a Circulose", afirma Cavalli-Björkman.

Para o vestido H&M, o primeiro produto comercial da Re:newcell, a equipe misturou a celulose com fibras de madeira provenientes de florestas manejadas de forma sustentável. Cavalli-Björkman diz que há mais parcerias com marcas de moda conhecidas em andamento para 2020 e que espera produzir volumes grandes o suficiente de sua celulose para fazer todo o vestuário.

Aqui estão algumas outras inovações biotecnológicas que podem tornar nossas roupas mais sustentáveis.

Seda de aranha sintética

Tem apenas uma fração de milímetro de espessura e cinco vezes mais forte que o aço, mas até recentemente era impossível produzir seda de aranha em massa: os aracnídeos são terrivelmente territoriais e canibais.

Após 10 anos de pesquisa e desenvolvimento meticulosos, a startup de biotecnologia japonesa Spiber descobriu uma maneira de fazer um material equivalente em um laboratório. O processo começa modificando geneticamente o DNA de micróbios para criar proteínas, diz Thomas Threlfo do Spiber.

"Nós então alimentamos esses micróbios com açúcares e outros nutrientes em grandes tonéis, o que resulta em um processo de fermentação semelhante ao da cerveja." A substância resultante é purificada e seca em pó, que é posteriormente processado para criar fibras sustentáveis, géis, couros sintéticos e muito mais.

De acordo com a Threlfo, a seda sintética tem potencial para impulsionar a sustentabilidade na moda. E já chamou a atenção de marcas globais; em 2019, Spiber colaborou com a North Face para criar o Moon Parker (detalhe).

'Cores vivas'

O estúdio Blond & Bieber, com sede em Berlim, desenvolveu uma alternativa totalmente natural às tintas para roupas tóxicas - feitas de algas. Atualmente, até 8.000 produtos químicos sintéticos são usados ​​pelo setor de moda e calçados, que podem ser perigosos para o trabalho e poluir os sistemas de água.

Ao extrair pigmentos de variedades de microalgas de água doce, é possível criar uma enorme variedade de cores (não tóxicas), de acordo com o fundador da Blond & Bieber, Rasa Weber.

As algas são cultivadas em biorreatores; os pigmentos são então extraídos e transformados em corantes. "Nós os chamamos de cores vivas", acrescenta Weber. "Como eles reagem com o oxigênio e a luz solar, eles estão realmente mudando com o tempo". 

A equipe de design já colaborou com marcas de moda em coleções inspiradas em algas, como a empresa de moda masculina do Reino Unido Vollebak, com a qual a Blond & Bieber trabalhou para projetar a Plant and Algae T Shirt em 2019 (detalhe).

Calçado à base de milho

Materiais à base de petróleo correm soltos em treinadores. A Vivobarefoot reconhece que tem uma solução. Em 2019, a marca de calçados lançou o Primus Lite II Bio, supostamente um dos sapatos menos dependentes de petróleo do mundo.

O corpo do calçado (detalhe) é feito de um material vegetal extraído do milho amarelo, criado por um fabricante de biomateriais com sede nos Estados Unidos. "O milho é colhido e processado por fermentação para produzir o polímero livre de petróleo e não tóxico", diz a gerente de sustentabilidade Charlotte Pumford.

O sapato também é costurado com fibras à base de plantas, tem uma sola de borracha natural e isolamento de espuma que é criado em parte a partir de algas removidas de corpos de água doce por meio de programas de gerenciamento de algas. "As algas são então secas, refinadas e utilizadas como um material alternativo não baseado em petróleo", explica Pumford.

Poliéster positivo para clima

Na Mango Materials, com sede em San Francisco, uma equipe de engenheiros, empresários e cientistas está capturando metano, um potente gás de efeito estufa que contribui para a crise climática, e transformando-o em polímeros que oferecem uma alternativa sustentável ao poliéster à base de petróleo.

A empresa canaliza diretamente o gás metano residual de um digestor para um tanque de fermentação, como explica a CEO Molly Morse. Dentro desse recipiente estão água e bactérias, que se alimentam do metano, crescendo rapidamente até que um tipo de bio-plástico conhecido como PHA seja produzido.

"Quando a bactéria produz uma quantidade ideal de PHA, a biomassa e os grânulos de PHA são separados, limpos, purificados e secos antes de estarem prontos para serem formulados em pellets", explica Morse.

Esses grânulos (inseridos) formam a base das fibras biodegradáveis ​​de bio-poliéster. A empresa já assinou acordos com marcas líderes de roupas esportivas e outdoor, acrescenta Morse, com planos de anunciar mais detalhes em um futuro próximo.

Fonte: positive.news